Noturnas – Ana Magalhães

O Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) recebe – entre 4 de abril a 27 de maio – a mostra de esculturas aéreas “Noturnas”, da artista plástica Ana Magalhães. A exposição, que ocupa os externos, o vão livre e espaços aéreos do museu da Avenida Europa, reúne dez esculturas de certo porte e cores cítricas, a maioria delas erguidas em suportes especialmente confeccionados para sustentá-las.

As obras refletem novo momento na carreira da artista plástica Ana Magalhães, nascida em Luanda, capital de Angola, que se educou e desenvolveu carreira no Brasil, de onde saiu para museus e galerias brasileiras e internacionais.

As esculturas ‘noturnas’ de Ana Magalhães são confeccionadas com o desenvolvimento articulado de tramas ‘vareta por vareta’ em aço carbono ligadas com pontos de solda de prata que, com iluminação apropriada, se transformam em transmissoras de magia, de irrealidade. As obras passam técnica, mas principalmente transmitem impressão de leveza, harmonia, feminilidade, maleabilidade, referenciais na trajetória da artista.

A exposição reflete ainda o encontro de Ana Magalhães – aproximadamente no último ano – com o jornalista, crítico de arte e neste caso – preferencialmente – poeta Paulo Klein, que assina o texto crítico, participou do ‘batismo’ das obras e presta consultoria ao projeto ‘Noturnas’. Quem assina a curadoria da exposição é a galerista Sabina De Libman, que acompanhou o desenvolvimento dos trabalhos no atelier instalado na residência da artista, no Sítio Boaçava, São Paulo, assistida por diversos profissionais e pela amiga e assistente Cecília Bertolucci.

Sobre estas obras Ana Magalhães declara que a intenção é ‘passar para os apreciadores a leveza do belo – beleza leve, assim como a beleza da flor!’ diz ela. “A arte deve fazer bem à alma através da ilusão.” O processo de criação incluiu estudos de Esher, Calder, Janet Echelman, a ‘cinta de Moebius’, o (mini) museu doméstico de Marcel Broodthaers e o motoperpétuo Infinitus Continuummm ‘.

As ‘noturnas’ ‘ASCESE’, ‘ONDULANTE’, ‘INFINITUDE’, ‘LASSUS’, ‘OITA’ e ‘THE LAST’ propõem momentos de profunda imersão nas possibilidades da arte contemporânea, agregadora de espaços e atitudes.

“As esculturas de Ana Magalhães ganham graça e singeleza a qualquer hora do dia com seus movimentos de leveza, maleabilidade, harmonia; as tramas aéreas se movimentam como que a galgar planos celestes, vínculos com inspirações naturais – sua paixão pelos bambus mussô, pela jardinagem e pelos animais”, reflete sobre ‘Noturnas’ Paulo Klein, crítico e consultor de artes visuais.

Diretora de Relações Internacionais e Responsável Técnica do MuBE – Renata Junqueira de Azevedo Silva

Fotos – Denise Andrade